Voltar para home
"Um projeto onde médicos, fonoaudiólogos, professores, pessoas com dificuldade auditiva e familiares possam trocar informações e experiências sobre saúde auditiva."
EMAIL: contato@amigosdaaudicao.com.br
Fonoaudióloga Responde
fale com a fono

Pessoas famosas com perda auditiva

12/08/2016

Os problemas auditivos são tão antigos quanto a humanidade. A mais antiga evidência escrita sobre surdez  e deficiência auditiva provém da Antiguidade. Um olhar sobre a História e sobre a sociedade moderna mostra que: inventor ou conquistador, compositor secular ou estrela de Hollywood... a perda auditiva não poupa ninguém.

O aumento da incidência de perda auditiva na atualidade é uma consequência da industrialização e do estilo de vida moderno: o mundo tornou-se muito barulhento para o nosso sensível órgão auditivo. Já no Antigo Egito, as representações de pessoas com doenças de ouvido e instrumentos para ouvir não é incomum. No famoso "Papiro de Ipuwer" (datado de cerca de 1674 a.C.) são enumeradas várias plantas medicinais para ajudar na surdez e dores de ouvido. Há até indícios de uso de aparelhos auditivos primitivos já na Antiguidade. O exemplo mais famoso é o de Alexandre, o Grande (356-323 a.C.), conquistador do maior império da história da Antiguidade. Após uma súbita perda de audição, ele teria usado um acessório bem visível: Nas moedas de ouro, ele é representado frequentemente com dois chifres de carneiro "virados ao contrário" presos na cabeça, cujas pontas parecem terminar nos seus ouvidos. Alguns especialistas acreditam que este é o D arquétipo do que virá a ser séculos depois a vulgar corneta acústica. Fato: Desde sempre existiram personalidades famosas com perda auditiva: artistas, cientistas, políticos. O tipo de perda auditiva e a relação de cada um com essa perda é tão variada como a extensão dos danos.

Ludwig van Beethoven  (1770 – 1827)

Beethoven perda auditivaIsso é o que chamamos de uma amarga ironia do destino: Ludwig van Beethoven, junto com Wolfgang Amadeus Mozart e Johann Sebastian Bach, é um dos três maiores compositores clássicos de todos os tempos. Ainda jovem, com 28 anos de idade, este gênio da música já ouvia muito mal. Embora inicialmente Beethoven tivesse sofrido principalmente a perda dos tons agudos e da compreensão da linguagem, acompanhada de ruídos auditivos agonizantes, distorções e hipersensibilidade, nos últimos anos de vida deve certamente ter ficado completamente surdo. Na estreia da sua obra mais famosa, a Sinfonia nº 9, em 1824, ele já não foi capaz de ouvir nem a orquestra, nem o estrondoso aplauso do público. Hoje sabemos que Beethoven sofria de otosclerose, uma doença do osso que envolve o ouvido interno. A otosclerose é o resultado de um processo inflamatório que causa a ossificação, afetando a mobilidade do estribo (o menor osso do ser humano). A consequência é uma perda auditiva lenta, mas inexoravelmente progressiva, muitas vezes associada a ruídos auditivos. A deterioração da capacidade auditiva teve uma influência considerável sobre a música do compositor, pois ao longo dos anos, ele começou a usar cada vez menos tons agudos, uma vez que foi deixando de conseguir ouvi-los. Em vez disso, na maioria das vezes, passou a compor em sons de frequência média. Só nas suas últimas composições é que regressou a sons de frequência mais alta – provavelmente por ser agora completamente surdo e obrigado a confiar apenas no seu "ouvido interno", o mundo musical da sua memória e imaginação, para compor. Com otosclerose avançada os ruídos já não alcançam o ouvido interno através do canal auditivo, passando a ser apenas vibrações através dos ossos do crânio. Atualmente existem os chamados aparelhos auditivos de condução óssea, que são incorporados em hastes de óculos mais grossas do que o normal. Algo que, obviamente, não existia no século XIX. Por isso Beethoven foi obrigado a inventar um novo acessório: para ainda ser capaz de perceber os sons do piano enquanto compunha, Beethoven prendeu ao seu piano de cauda uma vara de madeira que segurava com a boca ao tocar. Desta forma, a música do piano era transmitida através dos ossos do crânio ao ouvido interno de Beethoven.

Bill Clinton (1946 –)

Bill Clinton perda auditivaNa sequência de um exame médico de rotina durante o seu mandato como 42º presidente dos Estados Unidos (1993 – 2001), William Jefferson "Bill" Clinton, então com 51 anos, foi diagnosticado com deficiência auditiva. Nada de inteiramente surpreendente, pois nessa altura ele já tinha de fazer muito esforço para ouvir conversas em ambientes com muito ruído. Daí em diante, Clinton passou a usar, em banquetes de estado e em eventos com muita gente, dois aparelhos auditivos digitais de alta tecnologia. Bill Clinton é um exemplo típico da geração Baby Boom, que possui o maior número de pessoas com perda auditiva nos EUA. As causas para isso, de que ele próprio suspeita, são típicas desta geração: a ida a muitos concertos de rock com imenso ruído durante a juventude e o fato de ter pertencido a uma banda na escola.

 

 

Halle Berry (1966 –)

Halle Berry perda auditivaEm 2002, Halle Maria Berry foi a primeira atriz afro-americana a vencer o Oscar de melhor atriz, com o filme "A Última Ceia". Já nessa altura ela sofria de deficiência auditiva unilateral, com uma capacidade auditiva de apenas 20 por cento no ouvido direito. O causador dos danos na audição foi a violência doméstica, na forma de pancadas repetidas no ouvido dadas pelo seu ex-companheiro no início dos anos 1990.

 

 

 

 

 

Winston Churchill (1874 – 1965)

Winston Churchill perda auditivaO lendário primeiro-ministro Sir Winston Churchill liderou a Grã-Bretanha com sucesso através da Segunda Guerra Mundial. Foi o estadista britânico mais proeminente do século XX. Na década de 1950, durante o seu segundo mandato como primeiro-ministro, foi descoberta em Churchill, na altura já com bem mais de 70 anos, uma perda auditiva. Churchill sofreu muito com este "defeito" pelo resto da vida, mas nunca falou sobre isso. Embora tivesse um aparelho auditivo, recusou-se sempre a usá-lo. Isto fez com que nas reuniões com o seu gabinete ministerial, e até mesmo nas reuniões com outros estadistas, as pessoas tivessem muitas vezes que gritar para que Churchill pudesse acompanhar a conversa.

 

 

 

 

Phil Collins  (1951 –)

Phil Collins perda auditivaO solista e vocalista inglês da lendária banda de rock "Genesis" sofreu, aos 51 anos de idade, uma súbita perda de audição: Após um longo dia no estúdio de gravação, ele de repente sentiu como se tivesse água na orelha esquerda, e pouco tempo depois ficou completamente surdo. O seu sentido de equilíbrio também foi afetado. Os médicos o diagnosticaram com um "infarto do ouvido interno", provocado provavelmente por estresse. Embora o seu ouvido tenha mais tarde se recuperado parcialmente, Collins aproveitou esse motivo da perda auditiva para alguns anos mais tarde decidir abandonar as turnês para sempre.

 

 

 

 

Thomas Alva Edison (1847 – 1931)

Thomas Alva Edison perda auditivaQuis a ironia do destino que o genial inventor norte-americano Edison fosse a primeira pessoa no mundo a ouvir uma gravação da sua própria voz (no fonógrafo que ele próprio inventou em 1877, o precursor do gramofone) sendo ele surdo desde a infância. Edison afirmou certa vez que desde os doze anos era incapaz de ouvir o chilrear dos pássaros. Embora tivesse expressado publicamente várias vezes que estava trabalhando no desenvolvimento de um aparelho auditivo e que já tinha experimentado várias criações de outros inventores, aparentemente Edison via também benefícios na sua perda de audição. Ele confessou que assim podia concentrar-se muito melhor no seu trabalho.

 

 

 

 

Martinho Lutero (1483 – 1546)

Martinho Lutero perda auditivaO iniciador da Reforma Protestante começou a sofrer, com 43 anos, de tinnitus, o que o afetou negativamente pelo resto da vida. Para o professor de teologia e cristão fervoroso, este não era um problema médico, mas a obra de Satanás, "que provavelmente, tal como eu, não é bom a padecer no seu Reino na Terra". Ele descreve o seu sofrimento desta forma: "Ninguém acredita no tormento que me causam as tonturas, os tinidos e zumbidos nos ouvidos. Não me atrevo a ler uma hora seguida, nem sequer a pensar em algo ou a contemplar algo, pois logo lá está o tinido e eu deixo-me afundar nas suas profundezas."

 

 

 

 

Bono Vox (1960 –)

Bono Vox perda auditivaO líder do U2, a famosa banda de rock irlandesa, cujo nome real é Paul David Hewson, sofre há muitos anos de tinnitus. Com 37 anos, Bono abordou o tema dos seus ruídos auditivos agonizantes na canção "Staring at the Sun". Nela, ele diz, por exemplo: "There's an insect in your ear, if you scratch it won't disappear. It's gonna itch and burn and sting." ("Há um inseto em seu ouvido e, mesmo se o coçar, ele não desaparece. Vai coçar, arder e picar.").

Voltar

0 Comentário(s)


Deixe seu Comentário

FALE CONOSCO
captcha
Lyric