Voltar para home
"Um projeto onde médicos, fonoaudiólogos, professores, pessoas com dificuldade auditiva e familiares possam trocar informações sobre saúde auditiva."
EMAIL: contato@amigosdaaudicao.com.br
Fonoaudióloga Responde
fale com a fono
Coluna - Diéfani Piovezan

Entrevista com Peter Pompei

31/03/2016

Muitas pessoas me pedem para que eu faça mais postagens contando experiências alheias, para que  tenham mais acesso, sem precisar ficar perguntando em fóruns ou para outras   pessoas.

Então hoje trago uma entrevista com o Peter Pompei, fotógrafo de 32 anos e residente de Belo Horizonte. Peter viveu 3 anos em Londres e 5 anos nos Estados Unidos, onde nos conhecemos e viramos grandes amigos.

 Peter começou a perder a audição no início da vida adulta mas nunca deixou que isso o parasse. Aos 20 anos se tornou pai e começou a cursar fisioterapia, curso que largou para ir viver em Londres, onde trabalhou com um pouco de tudo e aprendeu fotografia.

Regressou ao Brasil mas não por muito tempo. Fez as malas e foi para os EUA, onde se aprimorou em fotografia, foi garçom, atuou no ramo de construção e, com seu primeiro aparelho auditivo, voltou ao mundo dos sons.

Confira a entrevista completa:

 

Peter, qual seu tipo de perda auditiva e o que a causou?
Disacusia mista bilateral, que de grau moderado passou para severa com componentes profundos dentro de 10 anos. A causa foi diagnosticada como otosclerose  – doença hereditária que provoca um crescimento ósseo em torno da orelha  média, impedindo-o de vibrar quando estimulado pelo som.

Quantos anos você tinha quando começou a perder audição?
Eu estava com 19 anos.

Demorou muito tempo até você aceitar sua condição ou o processo foi tranquilo?
Foi tranquilo. Por ter avô, tios e mãe com o mesmo quadro, eu sabia como seria a reação das pessoas perante a deficiência.

Você usa aparelhos auditivos? De que tipo? Eles funcionam bem para você?
Uso, eles funcionam muito bem e proporcionam uma audição quase perfeita.

Você ouve músicas, fala ao telefone, usa interfone? Sente dificuldade?
Ouço musicas, falo ao telefone e interfone normalmente e não sinto dificuldade alguma.

Sua família lida bem com isso?
Sim, lidam muito bem, até porque não sou o único deficiente auditivo na família.

Quando você adquiriu seus primeiros aparelhos auditivos?
O primeiro em 2011, quando fui presenteado por um anjo chamado Diéfani e o segundo em 2012.

Qual foi a sensação ao colocar seus aparelhos pela primeira vez e ouvir melhor?
Não imaginava que escutava tão mal. Foi uma sensação muito boa poder ouvir o barulho do mar por exemplo! Eu já não lembrava mais. E poder dar um conforto maior as pessoas do meu convívio, que já não precisavam se esforçar tanto para conversar.

Você morou em Londres e nos EUA. Como deficiente auditivo, você vê diferença em como as pessoas lidam com isso aqui no Brasil e nos outros países em que você viveu? E a acessibilidade, existia algo lá que facilitava sua vida e aqui não tem?
Hoje em dia as pessoas já não assustam muito por ter um número grande de deficientes auditivos, mas também não é algo que elas estão acostumadas a lidar diariamente. Já na Europa e EUA, em aeroportos, algumas lojas, supermercados e restaurantes, encontramos funcionários preparados para atender esse e outros tipos deficiência. O que acho que falta no Brasil.

Você é fotografo, alguma vez se sentiu em desvantagem por causa da surdez ao trabalhar?
Na minha área não, já que preciso enxergar para tirar fotos, mas em outros tipos de trabalho já passei por dificuldades.

Você começou a ter contato com surdos há poucos anos, como se sentiu em um grupo onde todo mundo passava pelos mesmos problemas?
Me senti muito bem acolhido, fiz grandes amigos e acho ótimo poder compartilhar experiências vividas a cada dia. Aprendemos muito uns com os outros.

Por fim, gostaria de deixar algum recado para as pessoas?
Sim. Gostaria de dizer que apesar da nossa deficiência nos tornar diferentes do padrão "normal" da sociedade, batalhamos dia após dia para que não soframos preconceito e possamos mostrar o quanto somos úteis e fazemos tudo que uma pessoa sem deficiência faz, às vezes, apenas de uma forma diferente. Somos capazes mesmo sendo “diferentes”. Portanto, é preciso seguir em frente e aprender a lidar com toda e qualquer situação sempre.

 

Beijos a todos!


0 COMENTÁRIO

MANDE O SEU COMENTÁRIO




*Todos os campos são obrigatórios