Voltar para home
"Um projeto onde médicos, fonoaudiólogos, professores, pessoas com dificuldade auditiva e familiares possam trocar informações sobre saúde auditiva."
EMAIL: contato@amigosdaaudicao.com.br
Fonoaudióloga Responde
fale com a fono
Coluna - Cris Bicudo

Vendo o lado bom da vida

10/09/2014

 

Estava lendo os feeds de notícias na maior rede social e um post me chamou a atenção: uma pessoa comentou que estava viajando de ônibus a noite, tentando dormir, porém duas pessoas no banco de trás não paravam de conversar e bem alto ainda por cima. Ela tentou colocar protetores nos ouvidos, mas de nada adiantou e chegou no destino de madrugada exausta para ir direto ao trabalho.

Fiquei pensando no meu caso, pois já me aconteceu uma situação parecida, só que dentro de um avião. Eu estava indo para Bahia com minha família, num vôo fretado de madrugada. Quem fretou foi uma agência de turismo, no qual meu padrasto pegou “carona” junto com um grupo enorme de adolescentes animadíssimos para comemorar o réveillon no nordeste. Era uma barulheira sem fim e tinha algumas outras pessoas que também aproveitaram o preço de um fretado, estavam tentando dormir. Eu não tive dúvida, simplesmente desliguei os aparelhos auditivos e fechei os olhos, pronta para dormir um pouco. O meu padrasto que já estava meio nervoso, comentou com a minha mãe: “aposto que a Cristina desligou os aparelhos e não escuta nada dessa algazarra!!! É... realmente tem suas vantagens e ela pode dormir tranquilamente”. Minha mãe só riu, pois ela me conhecia muito bem.

De fato, talvez por causa minha deficiência auditiva, aprendi a olhar a vida da melhor forma, inclusive pelo lado positivo. E concordo com meu padrasto, as vezes o silêncio é uma maravilha quando se realmente precisa dele. Como por exemplo, eu ouvia algumas amigas reclamarem do ronco dos maridos ou de crianças que fazem manhas aos gritos e choradeira, elas brincavam que adoraria poder ter um “mecanismo” de desligar a audição. Verdade, eu não vou escutar ronco algum, pois tiro os aparelhos para dormir. E muitas vezes, basta desligar os aparelhos quando não quero ouvir barulhos incômodos (como latidos de cachorro na rua, barulhos de obras de reforma nos apartamentos vizinhos, etc), ou quando preciso me concentrar para escrever meus textos. Por outro lado, eu tenho sono super leve e se acender uma luz que seja, já acordo na hora! O mais importante que é sempre gostei de viver no mundo dos sons, mesmo sozinha em casa, eu tenho a necessidade de usar aparelhos, pois faz parte de mim. Com eles, eu consigo ouvir sons de água escorrendo na pia, os meus próprios passos quando ando pela casa, quando o celular toca, e acredite, uma vez na casa da minha mãe estava conversando com ela na sala de jantar, o cachorrinho dela estava mastigando um brinquedo duro de borracha do outro lado da sala, era um barulhinho gostoso de se ouvir e que até achei engraçado. Com isso, percebi que tenho necessidade de realmente ouvir e descobrir novos sons também.

Um dia estava tomando um lanche à tarde com algumas pessoas e em alguns momentos escutava um “tilintar”, mas não percebi na hora de onde vinha e passei a prestar mais atenção e claro, dei uma olhada no celular para ver se não havia mensagem, mas não havia nenhuma. Enquanto uma pessoa contava uma história, notei que a cada batida dela na mesa, para dar ênfase em certas partes da narrativa, as xicaras e talheres se mexiam um pouco e fiquei surpresa quando descobri que eram daí que vinham esses barulhinhos. Uma coisa corriqueira e normal para qualquer pessoa, mas eu adorei isso, ou seja, entre os sons que estou acostumada no dia a dia, descobrir novos sons ou poder discriminá-los sozinha é uma conquista para mim.

Vivendo num mundo materialista e com tantas facilidades tecnológicas, até as coisas mais simples da vida passam “esquecidas”. Por isso que dou tanto valor a audição e procuro preservá-la ao máximo. Não há nada melhor que ouvir algum passarinho cantando, o barulho de criança brincando e principalmente poder conversar com meus sobrinhos que tanto amo, ouvir a voz da minha mãe e do meu pai e o mais interessante é diferenciar cada um deles (tons agudos e graves).

Tudo isso me faz muito, muito feliz! 


2 COMENTÁRIOS

Meca Araujo

Oi Cris, adorei a sua historia e o seu texto. Viver é uma arte, felizes aqueles que sabem aprecia-la nos momentos mais simples. Que sua vida continue sendo muito auspiciosa. beijos Meca

CRIS BICUDO:
Oi Meca, adorei saber que gostou!!!! E mais ainda a sua mensagem, muito verdadeiro o que escreveu! Obrigada. Um beijo grande


Rafael Nunes

Texto incrível. E concordo a 100% sobre "Vendo o lado bom da vida". Existem pessoas pessimistas e outras otimistas. Inteligentes são aquelas que seguem pelo lado positivo da vida de cada um :) Todos tem um lado positivo e negativo de suas próprias vidas. Eu adoraria poder "desligar o som" de uma criança chorando durante um voo de 10 horas de avião. Ou mesmo desligar o choro da criança! Não tem como! Nem um tampão nós ouvidos, nem reclamando com a mãe da criança para ela parar de chorar e no seus caso Cristina, você aperta um botão! E voila.... A mágica é feita e não se escuta mais choros! Tudo na vida tem um lado bom e ruim!


MANDE O SEU COMENTÁRIO




*Todos os campos são obrigatórios